FONASC – MG – SISEMA – Sistema Estadual de Meio Ambiente -MG, COGITA LIBERAR LICENÇAS “AD REFERENDUM” DURANTE PERÍODO DE PARALISAÇÃO POR CONTA DO ‘CORONA VIRUS’ numa inaceitável manifestação de oportunismo sobre os principios de controle social previstos na legislação.

FONASC – MG – SISEMA – Sistema Estadual de Meio Ambiente -MG, COGITA LIBERAR LICENÇAS “AD REFERENDUM” DURANTE PERÍODO DE  PARALISAÇÃO POR CONTA DO ‘CORONA VIRUS’ numa inaceitável manifestação de oportunismo sobre os principios de controle social previstos na legislação.

 

O FONASC CBH através do Coordenador Geral Prof João Clímaco manifesta ao seu  representante no CBH SF1 Prof. Gustavo Gazinelli total apoio quanto a SUA NOVA correspondência encaminhada ao MPF /MG reiterando   preocupação quanto a manifestação que a  SEMAD/MG enviou aos membros conselheiros dos colegiados através de documento: Plano de Contingência/Sisema MG – Covid 19,divulgado no diA 23/03/2020 ,    no qual entendemos ser   de total inoportunidade, para não dizer má fé ,pois contém  artigos que permite licenciamentos , autorizações e outorgas que são de competência do Estado como atividades essenciais neste momento em que o isolamento social e a paralisação das atividades em todo o país foi determinado EM NOME de interesses maiores. E, em momento em que a sociedade  vivencia tão grave situação de saúde pública e insegurança social e econômica, o que beira a SACANAGEM SOCIAL  INSTITUCIONALIZADA PELO  ESTADO  A FAVOR DA MINERAÇÃO ,  e outros adjetivos apropriados.

A primeira mensagem encaminhada ao MPMG no dia 19 pelo missivista acima citado, que foi endossada pelo FONASC e  por outras entidades e movimentos sociais ,   não foi respondida pelo MPMG, motivo pelo qual O FONASC reiterou NOSSO POSICIONAMENTO e DILIGENCIA junto a este órgão para que o mesmo garanta o interesse publico –  o MPMG.

Segundo o Prof. Gazinelli , sobre  esse “plano de Contingencia ”  consubstancia enorme PREOCUPAÇÃO E ESPIRITO DE MOBILIZAÇÃO das organizações civis que monitoram os desmandos da POLITICA AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS  do Estado e Minas Gerais , pois expressa o  seguinte:

ps. 6 e 7

1° Nível de resposta: Fase de alerta 

5. Orientar as unidades regionalizadas no âmbito do Sisema a realizarem as seguintes ações:
10. Cancelamento de Eventos e reuniões (inclui centro de visitantes de UCs) com público esperado de 100 ou mais pessoas, programados para os próximos 4 meses;
ps. 8 e 9
2° Nível de Resposta:  Fase de Contaminação Local 
1. Suspensão de eventos, atos solenes e treinamentos complementares em  ambientes fechados, independente do número de pessoas;
8. Suspensão dos prazos referentes aos atos dos processos administrativos ambientais;

10. Utilização das medidas decorrentes do presente Plano de Contingência como justificativa para contagem do prazo de análise dos processos administrativos no âmbito do Sisema;

ps. 10
3° Nível de resposta: Fase de Contaminação Comunitária   

3. Suspensão de todas as reuniões de órgãos colegiados, no âmbito do Sisema (COPAM, Plenária, CNR, URC’S, CERH, Câmaras técnicas, Comitês de Bacia, Conselhos Curador e de Administração, Conselhos consultivos das unidades de conservação estaduais de domínio público);

4. Possibilidade de concessão de atos administrativos na forma “ad referendum”, na forma da Lei 21.972/2016, enquanto perdurar a suspensão dos conselhos;
p.11
4° Nível de resposta: Fase de Capacidade de Resposta Exaurida 
1. Seguir as recomendações do gabinete de crise acerca do COVID-19 no âmbito do Governo do Estado de Minas Gerais.
1] Nota-se, quanto ao 1º nível de resposta (tópico 5sub-ítem 10), que o Sisema mantem a mesma orientação (quanto a limitação de pessoas) da norma que questionamos do Prefeito do Serro, mencionada a título de exemplo na mensagem aos senhores do dia 19;
2.1] Que, quanto ao 2º nível de resposta, a palavra “reuniões” (objeto da restrição contida no tópico 5,10 citado no 1º nível de resposta), já não consta da redação do tópico 1 deste 2º nível de resposta, desta forma deixando em aberto a possibilidade de realização de reuniões das instâncias deliberativas e consultivas nesta fase de “contaminação local”;
2.2] Que ainda, quanto a este 2º nível de resposta, uma redação confusa do tópico 10 propicia a interpretação de que a “contagem do prazo de análise dos processos administrativos” permanecerá vigente, embora, no tópico 8 desta mesma fase, se informe que  a fase ensejará a “Suspensão dos prazos referentes aos atos dos processos administrativos ambientais”. Ou seja, a redação do tópico 10 enseja uma interpretação contraditória com o exposto no tópico 8, maculando, assim, a orientação de patente insegurança jurídica;
3] Que, no tocante ao 3º nível de resposta, a Fase de Contaminação Comunitária – observemos que o Ministério da Saúde declarou esta fase em todo o país desde o dia 20, sexta-feira passada (https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-03/covid-19-governo-declara-transmissao-comunitaria-em-todo-o-pais) – o tópico 3 suspende as reuniões dos órgãos colegiados do Sisema e o tópico 4 abre a possibilidade de concessão de atos administrativos na forma ‘ad referendum’ (…) enquanto perdurar a suspensão dos conselhos“.
Ou seja, numa situação mais grave do que aquela prevista para o 2º nível de resposta, o Estado permite que a suspensão dos prazos dos processos administrativos ambientais seja sobredeterminada pela concessão de ad referendums. Uma completa confusão e encenação pretensamente jurídica capaz de promover a subjetividade (ou discricionaridade) de operadores e autoridades do Sisema, em frontal ameaça à legalidade, razoabilidade, legitimidade de processos que a lei pressupõe sejam participativos e transparentes, de tal forma se permitindo a consumação de atos e fatos, em momento do enfrentamento coletivo da pandemia. Inaceitavel, assim, a disposição de condições para auxílio a interesses privados conhecidos por seus impactos socioambientais, numa situação de calamidade pública que requer isonomia e zelo para com todos.
4] Por fim, abre a norma a possibilidade de decisões de um gabinete de crise, cujas fundamentações face a quaisquer situações não são sequer descritas, de tal forma possibilitando grave dano ao meio ambiente e aos processos republicanos de controle social e administrativo.
Em outras palavras, nota-se que o Plano de Contingência em tela é uma porta aberta para quaisquer medidas que venham a afrontar direitos que deveriam ser bem conhecidos dos órgãos de Meio Ambiente, e que alguns pontos do referido Plano demonstram maior liberalidade à medida do agravamento das situações e dos níveis de resposta à pandemia entre nós – o que é inaceitável.
Pedimos assim as providências cabíveis para tão somente assegurar a suspensão imediata  dos prazos referentes aos atos dos processos administrativos ambientais e das reuniões dos órgãos colegiados do Sisema, observado, pelo menos, o prazo de quatro meses fixado no sub-item 10 do tópico 5, da fase mais tênue do presente processo e situação de contingência descrita no Plano.
Aguardamos retorno a este pedido, e pedimos aos colegas que nos leem, que façam outras considerações e pedidos que julgarem pertinentes.
Atenciosamente,
Gustavo T. Gazzinelli
p/Gabinete de Crise Sociedade Civil
O FONASC  como entidade membro de colegiados de gestão no Estado de Minas Gerais , cotidianamente  calejado no enfrentamento a essas condutas obstrutivas, diversionista e oportunistas  perpetrada pelos responsáveis pelo  SISEMA/GOVERNO DO ESTADO  em processos de licenciamento recorrentes , denuncia e exalta aos cidadãos de bem  e aos poderes constituídos que preservem o ESTADO DE DIREITO NESSE MOMENTO DE GRAVE  AMEAÇA A ESTABILIDADE DO PAÍS.
Não é possível imaginar que empresas, prefeitos, governos estadual ou federal, aproveitem-se de tal situação para legitimar interesses em conflito evidente com outros de âmbito socioambiental, enquanto a sociedade em geral e todos nós estamos focados na difusão das orientações para o combate e cuidados com a pandemia/epidemia que nos assolará.
JOAO CLIMACO.
COORDENADOR DO FONASC CBH
FORUM NACIONAL DA SOCIEDADE CIVIL NOS CBHs
Entidade membro de: CMI/COPAM, CBHS, Velhas, Paraopeba, SF1, Paranaiba, PN1, PN2, PN3, Piracicaba, Santo Antonio, Rio Doc, Conselho Nacional de Recursos Hidricos/MG
veja o arquivo plaNO DE CONTIGENCIA /*b

1 Comentário to “FONASC – MG – SISEMA – Sistema Estadual de Meio Ambiente -MG, COGITA LIBERAR LICENÇAS “AD REFERENDUM” DURANTE PERÍODO DE PARALISAÇÃO POR CONTA DO ‘CORONA VIRUS’ numa inaceitável manifestação de oportunismo sobre os principios de controle social previstos na legislação.”

blogs

Vídeo

RECENTES