O FONASC.CBH E A ESCOLA DE ATIVISMO

O FONASC.CBH E A ESCOLA DE ATIVISMO

Durante todo o semestre passado, em encontros virtuais e semanais, a Escola de Ativismo e o Fonasc foram parceiros em um curso de residência, aonde o Fonasc-cbh foi contemplado pela escola de Ativismo com um curso semestral de residência em comunicação; Para as atividades de residência a Escola partiu de um desejo em trabalhar de uma maneira geral, o que é comunicação e alguns de seus aspectos, e a partir de trocas de informação e da compreensão de que e como cada organização faz a sua comunicação e trabalha com as potencias, foram Abordando alguns aspectos importantes da comunicação, como: o que é comunicação, quem comunica, o que comunica, as diferentes linguagens da comunicação e as diferentes formas possíveis de se comunicar, então foi trabalhado dentro da residência, o que é a comunicação, Educomunicação, narrativas, gêneros, meios canais e veículos na comunicação.

A Escola de Ativismo trouxe para o Fonasc-cbh uma proposta de Residência em comunicação onde a intenção com o programa de residência, não é ensinar e nem apontar o que é certo ou errado, mas sim estimular um espaço de trocas de conhecimento, que alimente o pensamento crítico e criativo, das potencias e habilidades, sempre valorizando e fortalecendo a cultura e os saberes locais para que se possa melhorar os processos de comunicação interno e externo dos grupo e instituições parceiras. Esse plano é uma proposta que foi desenvolvida a partir de entrevistas virtuais com a assistida do Fonasc, para o programa de residência e da conversa e troca que tiveram ao vivo em Cuiabá com a assistida.

O objetivo da Residência entre a Escola de Ativismo e o Fonasc é o de comunicar para conscientizar, apaixonar e mobilizar ainda mais pessoas pelo trabalho de defesa dos povos, saberes, culturas, o uso difuso da água e o meio ambiente pantaneiro. E através de uma série de atividades online provocar a reflexão sobre comunicação, utilizando todo tipo de material, matéria jornalísticas, textos, vídeos, poesias, fotos e filmes. Visando como escrever release e entrar em contato com a mídia, fazer fotos e vídeos, planejamento de ações criativas, como diagramar panfletos e apostilas, facilitação gráficas durante oficinas e como ampliar o alcance de publicação nas redes.

Pode-se observar que cada prática se desenvolve de acordo com as suas necessidades, que nenhuma foge da partida de boa comunicação , com focos ambientais e sociais, a comunicação é indispensável para a mobilização pessoal, grupos internos, e externos, criar espaços diferentes para a comunicação, levar a comunicação para feiras comunitárias, redes federias,, rádios, fazendo frente aos governos, se colocando como posição da sociedade civil fazendo a comunicação popular de resistência dando voz ao povo para que se alcance seus direitos, colocando sempre como prioridade a valorização das pessoas.

Visando esses meios e métodos, ficou mais evidente para o Fonasc que a comunicação é a arte de manter o diálogo, e se comunicar é a força e o poder, sendo assim, para que haja uma maior eficiência na comunicação chegou-se a um senso que a comunicação do Fonasc seria aprimorada se a curto prazo pudesse juntar as informações dos 200 (duzentos) membros no Brasil que estão trabalhando para poder divulgar as necessidades e os bens feitos; A médio prazo precisamos sistematizar essas informações e formar um banco de dados e comunicação em cima disso; E a longo prazo se conseguir difundir isso para a sociedade, lembrando que perpendicular a isso, a curto, médio e longo prazo o Fonasc quer difundir a gestão democrática das águas para a sociedade civil organizada e para as comunidades tradicionais, por isso que precisamos da comunicação, pra gestão democrática das águas e para o empoderamento das comunidades tradicionais que dependem diretamente desse recurso hídrico.

Hoje já utilizamos como meio de comunicação e divulgação, os meios impressos, internet, no wattsapp, o Fonasc usa esse aplicativo não só como meio que consegue unir toda a rede de diversas regiões e localidades, como esse meio é funcional e alimentado todos os dias, com mensagens e feitos pelo Fonas e os previstos a serem realizados, tentamos ilustrar uma informação para maior absorção do conteúdo. No facebook, utilizamos de fotos e vídeos curtos, usamos uma linguagem diferente como exige o aplicativo, uma linguagem mais direta e despojada menos formal, evitando mensagens e vídeos demasiados longos tentando conseguir o máximo de números de seguidores que possam difundir nossas informações em prol de um bem maior, nossas águas e vidas. Usamos também como meios, os encontros, fórum oficinas, atividades, apostilas, e-mail, esses os mais comuns e corriqueiros na sociedade atual; sem dúvidas a grande mídia tem um maior alcance da informação, e consequentemente com mais pessoas informadas, melhores resultados obteremos, mas não devemos esquecer ou deixar de valorizar o alcance que temos na nossa mídia, pois ela vai aonde por vários motivos a grande mídia não chega, não alcança. Nos sentimos limitados financeiramente dentre o enorme trabalho que realizamos e o bem imenso que fazemos a nação, mas usamos do que temos e contamos com parcerias como da Escola de Ativismo e outros, para uma melhor e eficaz qualidade em nossos trabalhos.

Trabalhamos e nos relacionamos com a sociedade civil, e todos os envolvidos diretamente e indiretamente com o recurso água e meio ambiente, para atingir nosso objetivo e para que haja uma boa comunicação, para fazer entender utilizamos desde fotos, vídeos, textos sites, cartilhas, fórum e palestras nacionais e internacionais, sobre as nossas bacias d’água e nossos recursos hídricos, sendo estes os meios usados de maior eficiência e totalmente funcional, variando de regiões, imaginamos que um diferencial com maior abrangência e melhor cobertura dos fatos e atos fariam toda a diferença. Essa é a nossa pretensão de aprimoramento, pois hoje acreditamos que quem segue esse material são os Fonasqueanos e as pessoas interessadas em gestões democráticas das águas, pescadores, populações tradicionais, ribeirinhos, quilombolas, peradeiros, técnicos ambientais, entre outras, por isso pretendemos ampliar a nossa rede de comunicação, os possíveis parceiros são outras ONG´s, comitês de bacias hidrográficas, atores sociais, populações tradicionais, queremos ampliar o meio de divulgações e acesso das nossas informações a esses públicos alvo. Por isso estamos abertos a novas iniciativas, e aceitamos usar novas propostas de comunicação e mídias vindas de outros grupos, e abraçamos a residência de comunicação em parceria da Escola de Ativismo.

Acreditamos que todos e qualquer usuário das águas sejam ela difusas ou não, é um potencial parceiro, temos como parceiros vários fóruns, pois somos um fórum, fórum de organização civil dos comitês de bacias hidrográficas, então temos apoio de várias ONG´s, associações, cooperativas, em Mato Grosso temos o apoio direto do FORMAD (fórum mato-grossense de desenvolvimento sustentável). Com isso verificamos a necessidade de montar uma planilha de contatos, um mailing, com todos os nossos parceiros e potenciais parceiros, e um mailing jornalístico também, com os contatos profissionais para os quais avisaremos a mídia através de press release e release os trabalhos e realizações da nossa organização.

A comunicação popular e a educomunicação vem fortalecendo o trabalho feito pela nossa organização, a comunicação popular é o carro chefe do fonasc, pois trabalhamos com povos, populares, sociedade civil, e aonde a educomunicação é essencial, essa comunicação tem sido funcional, ainda buscando conhecimento técnico e em constante aprendizado para o aprimoramento, e assim fortalecer o nosso trabalho almejando alcançar a total eficiência, embora a comunicação popular e a educomunicação é o que fazemos e somos, de maneira que acabamos por aplicar em todas as nossas atividades e trabalhos, usamos destes meios para passar a importância a necessidade e o objetivo de nossas atividades, principalmente na nossa cultura Pantaneira.

A valorização do Pantanal e tudo que nele envolve fazem parte da cultura pantaneira, e a luta por mantê-lo fazem parte da nossa identidade, mostrando sua beleza e importância de maneira a que todos entendam, representando o Pantanal nos fóruns colegiados, e apresentando o Pantanal através de místicas, músicas raiz, citação ao Pantanal, tornando suas lendas crônicas, a mídia jornalística se envolve limitadamente, pois só mostram as, maravilhas do pantanal e suas rendáveis belezas, deixando a desejar a divulgação na outra parte, a parte árdua dos trabalhadores e de ongs e pantaneiros, pela preservação e manutenção e a não extinção de fauna e flora Pantaneira; Em agosto de 2014 no Pantanal haviam 154 empreendimentos de pch´s previstos, sendo que 44 destes já estavam em operação, em 2016 já eram 166 projetos de barragens previstos, o Fonasc tem feito o difícil trabalho em segurar a ganancia por energia em detrimento da conservação do patrimônio nacional reserva da biosfera e patrimônio da humanidade, em detrimento das comunidades e povos tradicionais do Pantanal que dependem da pesca profissional e turísticas para geração de emprego e renda para a segurança alimentar; Em 2017 esse número de projetos de barragens sobe para 169, o setor elétrico está avido por construir barragens que destroem os rios do Pantanal, precisamos de energia mais precisamos ainda mais do Pantanal, poderiam optar por energias alternativas como energia por placas fotovoltaicas já que o Brasil é um pais que é sol forte quase o ano todo, pois esses impactos causados pelas pch´s nenhum seguro cobre as perdas e danos, e não há como refazer o ecossistema, e o trabalho formiguinha dos 570 municípios não estão conseguindo reflorestar as margens de todo o corpo hídrico, com isso os rios vem secando ultra rapidamente, mudando todo o senário Pantaneiro.

Ao final da residência podemos dizer que a proposta feita pela Escola de Ativismo foi concluída e satisfatória, pois ela não só apresentou meios e métodos de comunicação, como norteou para as diferentes atividades da ong, usando metodologias claras de fácil entendimento, com um conteúdo teórico simplificado, e finalizado com uma aula prática ,que possibilitou conciliar a teoria e a prática, não deixando dúvidas de que a Escola está embasada na experiência de se comunicar e de que esse método é totalmente funcional e eficaz. Deixando claro ao observar como tudo que foi passado é realmente utilizado, coisas que praticamos automaticamente, fazendo uma boa e correta comunicação. O projeto contribuiu muito com o Fonasc não só acresceu conhecimentos da arte em se comunicar, e fazer uma boa comunicação, como norteou a ong com seus projetos futuros e em andamentos, diante disso ficam os agradecimentos a Escola pela rica oportunidade de aprendizado e conhecimento, principalmente pela dedicação de seus comunicadores, profissionais de altíssima qualidade, pessoas dedicadas e comprometidas com o seu trabalho, que não medem esforços para realizar uma boa comunicação.

blogs

Vídeo

RECENTES