Navegando em todos os artigos INTERNACIONAL

INTERNACIONAL – NO DISASTER IS NATURAL

Postado Postado por Destaques, INTERNACIONAL, NOTÍCIAS     Comments Sem comentários
fev
13

INTERNACIONAL – NO DISASTER IS NATURAL

Coordenador Nacional do Fonasc.CBH, João Clímaco conversou com o Portal Transformation e a reportagem você confere na íntegra abaixo.

Text: JASON VON MEDING, DJAIR SERGIO DE FREITAS JUNIOR, and MAÍRA IRIGARAY 5 February 2019
Should the Brumadinho dam collapse be framed as corporate incompetence or a crime against people and nature?

Aftermath of the Brumadinho dam collapse, January 26 2019. Credit: Wikimedia/Youtube. CC BY 3.0.

The latest environmental and human catastrophe involving Brazilian mining giant Vale occurred on the 25th January 2019 when a mine-tailings dam in Minas Gerais state ruptured. Mining waste and sludge engulfed the town of Brumadinho, with over a hundred people confirmed dead and more than 200 missing.

This catastrophe comes in the wake of the collapse of the Fundão tailings dam near Mariana in November 2015. Despite allegedly knowing of the potential for the dam to collapse in advance, Vale declined to act, leading to the worst environmental disaster in Brazilian history.

These are shocking events, but without concerted action they will surely happen again. Brazil faces an uphill battle to navigate the issues inherent in an aging network of dams, many of which are at risk of collapse.

Brazil is at crossroads. The recently elected President Jair Bolsonaro has made no apology for his brazenly anti-environmental approach, aimed squarely at the expansion of agribusiness and the exploitation of primary commodities – this in a country filled with expensive and poorly constructed infrastructure projects, permeated by human rights and environmental violations and with little or no oversight.

Despite some environmentally-friendly rhetoric, progress was slow under the previous administrations of Michel Temer, Dilma Rousseff and Lula. Deforestation continued, mining and agriculture expanded and more dams were built. Only a national and global campaign of pressure prevented Temer from abolishing the Renca forest reserve in 2017.

Rising income inequality and declining social indicators are high on the agenda of the Brazilian public. Public discontent with this situation was undoubtedly a factor in Bolsonaro’s election. For some, the environmental cost of development is not a priority. Inequalities and injustices within society create risk. Structural problems intersect with development failures and corporate negligence.

But despite efforts to assign blame, the reality is that arresting a few Vale employees will not address the root causes of the problem. Though technical negligence may have played a part, there are much more systemic issues at play. No disaster is ‘natural’ – so could the Brumadinho dam collapse more accurately be framed as a crime against nature and humanity?

Last week in Davos, President Bolsonaro spoke about Brazil’s status as a world leader on environmental protection, but the images of a tsunami of mud and toxic mining tailings engulfing Brumadinho made his words ring hollow. His administration has a lot in common with the Trump White House, which has also been criticised for its attitude towards environmental concerns. Some argue that a religious ideology of “dominionism” underpins the environmental position that many conservatives adhere to – the idea that human beings have the right to exploit the earth and all other life-forms.

But as John Trudell, a Native American (Santee Lakota) leader said in 1980, “we must go beyond the arrogance of human rights. We must go beyond the arrogance of civil rights. We must step into the reality of natural rights because the natural world has a right to existence. We are only a small part of it. There can be no trade-off.” As a global society we are facing an earth system breakdown that requires a deep cultural shift designed to re-imagine our relationship to the planet. How will this shift happen?

The failures of top-down action.

In Brazil, a culture of collusion between governmental and corporate actors makes meaningful top-down change a slow and painful process.

The collective failure of private and public stakeholders to mitigate the risks of environmental catastrophe is not exclusive to the present government. Legislation to protect the environment has long been under threat in Brazil, as the economy has slumped in recent years. President Michel Temer previously sanctioned the creation of the National Mining Agency while vetoing the creation of 130 positions dedicated to overseeing the activities of mining companies, ostensibly to avoid an increase in state spending.

The environmental licensing process in Brazil is seen by many business interests as an obstacle to ‘progress.’ Legislation is progressive and robust on paper, but once a political decision is made about a project there is minimal enforcement. According to the 1988 constitution of Brazil, the State has an obligation to protect local communities and workers who face excessive daily risks. The problems with the Brumadinho dam were well known but neither Vale nor the State’s environmental agency took any action.

Dam collapses are the tip of the iceberg in a global web of corporate dominance within governing structures that openly prefer profit above all else. Priority is given to investors, corporations and special interest groups to the detriment of human and environmental wellbeing. Climate treaties are trampled. Human rights are violated and the State is complicit.

João Clímaco, general coordinator of FONASC (the National Forum of Civil Society on Hydrographic Basin Committees) lamented this crisis of governance, telling us that it is “an established model that is totally unrelated to the Brazilian reality, the rights of the people…a model that privileges the concentrated power of big capital to the detriment of society and the weakening of democratic institutions.”

When the Vale Company was privatized by former president Fernando Henrique Cardoso, it sold for a little more than $3 billion Brazilian reais. Twenty years on, profits have soared by over 1,700%, with the National Development Bank providing public funds to guarantee further business expansion.

From the outset, the company has underestimated risk in its operations and shown contempt for human life and the environment. Consider the location of the building where the workers were lodged in the latest disaster, immediately below the tailings dam and the first building to be buried by toxic sludge. This is not an isolated incident. Several years before the Mariana disaster, Vale won the dubious “Nobel Award of Shame” in 2012 when it was voted the world’s worst company.

Neither the government nor Vale have learned from their past mistakes; nor do they appear willing to do so. Despite attempts to create special commissions on mining and increase oversight, the influence of the mining lobby in politics is intense. For example, 46 of the 53 federal deputies elected in Minas Gerais in 2014 were backed by industry money.

The promise of bottom-up action.

Moving forward, a framework for protecting the environment and promoting human and non-human wellbeing is already established in the Brazilian constitution and (to a lesser extent) in the legislative arena. But it will take people power to move beyond ‘unenforceable laws’ towards real action. There is no time to wait for those in power to make the necessary technological and legislative decisions.

Grassroots action is urgent and is already underway. In January 2019, for example, 46 environmental, human rights, labor and civil society organizations signed a statement committing them to “speak out against hateful rhetoric and acts of violence, intimidation or persecution” against the communities and civil society advocates that Bolsonaro has branded as ‘enemies’ or ‘terrorists.’

But expanded activism won’t be enough without a deeper re-evaluation of human relationships with natural systems. As people grow weary of a global socio-economic system that thrives on the myths of scarcity and competition, we must make and tell better stories about our relationship with nature and create new narratives to bind our communities and the natural world together.

As a recent article in the Journal of Peasant Studies argues, we need an “environmentalism cognizant of the dialectic between expanded capitalist accumulation at a global scale and environmental dispossession.” The fight for this kind of environmentalism continues in every corner of the world. Environmental disasters are an affront to our collective efforts to survive and thrive. We must depart from the trajectory defined by a status quo that actively creates more disaster risks.

This would represent a complete shift in worldview and a transformation of conscience. Human beings have the capacity to fulfil a duty towards future generations: unlike any other time in history, it is (technically) possible to supply energy, food and water to all. But clearly the problem is not a technical one. It is one that requires re-orienting our socio-economic values.

It is only through love, compassion, solidarity and urgent action that we have the potential, not only to survive but to become stronger, both with each other and within the web of life that connects us to nature. In fact, we are not separate from nature; we are nature itself.

That has been the cosmovision of indigenous peoples all around the world. But it has taken us far too many calamities to learn that we cannot eat or breathe money. Capitalism only serves itself, and we need a system that serves people and protects the planet. Otherwise, there won’t be any future left.

_____________________

About the authors

 Jason von Meding is a researcher, educator and author in disaster studies, currently on faculty at the University of Florida. He tweets @vonmeding. Djair Sergio de Freitas Junior is a PhD candidate in Environmental Sciences at UNEMAT, Brazil and a Visiting Research Scholar at the University of Florida. Maíra Irigaray is a Human Rights and Environmental Lawyer, an Indigenous Rights Activist and a PhD candidate at the University of Florida.

INTERNACIONAL – AS LIÇÕES PARA SOBREVIVER À SECA VIAJAM DO BRASIL À ÁFRICA

Postado Postado por Destaques, INTERNACIONAL, NOTÍCIAS     Comments Sem comentários
dez
19
INTERNACIONAL – AS LIÇÕES PARA SOBREVIVER À SECA VIAJAM DO BRASIL À ÁFRICA

Inspirada em projeto brasileiro, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura constrói cisternas em países africanos e começa a mudar a realidade local

Texto: de Marina Rossi do El País
Data: 19/12/2018

Desenhando com o dedo indicador no chão de areia fofa e alaranjada, o agricultor brasileiro Sueldo Vicente de Moraes tentava explicar como funciona o sistema de tecnologia simples construído em sua comunidade para reutilizar água, em Mossoró, no Rio Grande do Norte. Ao redor dele, os olhos atentos de agricultores e algumas autoridades da comunidade rural de Tiamméne Pass, a cerca de 260 quilômetros de Dacar, capital do Senegal, prestavam atenção na explicação. “As minhocas consomem os resíduos nesta parte da decomposição”, apontava Moraes. “No final do processo, a água chega limpa para irrigar as plantas”, finalizou o brasileiro de 46 anos a uma dezena de senegaleses sentados no pé de uma estrutura imensa, usada para captar e bombear água do solo para as famílias locais.

A alguns quilômetros dali, na pequena aldeia de Ndiana Peulh, essa tecnologia de captação de água não existia. Mas a ausência dela hoje fez surgir outra forma de abastecimento. Sem rede elétrica e tampouco água encanada, os casebres de taipa com teto de sapé ficaram ainda menores depois que a grande cisterna, ainda branquinha, fora instalada. Construída em março deste ano, o reservatório é um dos 19 que existem hoje no país africano e faz parte da etapa piloto do projeto intitulado Um Milhão de Cisternas para o Sahel. Financiada pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), em parceria com o governo italiano, a iniciativa é totalmente inspirada no projeto brasileiro de mesmo nome, desenvolvido no início dos anos 2000 no semiárido e que ganhou reconhecimento internacional.

A inspiração na versão brasileira da iniciativa não foi só devido ao seu êxito. O Sahel, faixa que vai de leste a oeste do continente africano, entre o deserto do Saara e a savana do Sudão, é uma área com clima parecido com o do semiárido brasileiro, embora algumas regiões sejam ainda mais secas que no Brasil. Por causa das suas similaridades, nesta etapa do projeto, 18 agricultores e agricultoras brasileiros foram visitar algumas comunidades senegalesas onde os reservatórios foram construídos para trocar experiências como a de Sueldo Moraes, numa espécie de intercâmbio. “O mundo aprendeu muito com vocês”, afirmou Coumba Sow, coordenadora do time de resiliência para a África Ocidental da FAO. “Eu até poderia falar aos agricultores daqui do Senegal sobre a importância desse projeto, mas é ainda melhor quando os próprios atores dessa transformação falam sobre ela”.

Os agricultores brasileiros são pessoas simples no trato e cheias de conhecimento. Muitos deles nunca haviam saído sequer dos Estados onde vivem. Recolhem as sementes de melancia do prato do café da manhã do hotel para plantar no Brasil e pedem ao líder governamental, que ofereceu um jantar certa noite, para doar a comida que sobrou a uma das comunidades visitadas. Vieram dos dez Estados englobados pelo semiárido brasileiro – os nove do Nordeste e Minas Gerais -, por meio da Articulação do Semiárido (ASA), que é composta por mais de 3.000 entidades. Passaram sete dias viajando em um pequeno ônibus de 25 lugares pelo interior do Senegal, acompanhados pela reportagem do EL PAÍS, técnicos da ASA e um representante da FAO. Embora acostumados com a aridez e a vivência em locais quase sempre esquecidos pelo poder público, sentiram o calor, a secura e a realidade na pele. “Há 60 anos eu fui criado sem saber ler e nem escrever”, disse, emocionado, o senhor Carlos Soares de Menezes, 65, de Monte Alegre, em Sergipe, ao final de um dia inteiro percorrendo aldeias no interior do Senegal. “E ainda hoje tem gente assim. Isso é triste demais, achei que não existisse mais gente assim”, afirmou, após conhecer regiões onde não há escolas por perto. As crianças e especialmente as mulheres locais são analfabetas. “A gente reclama de barriga cheia no Brasil”, concluiu o senhor Sebastião Rodrigues Damasceno, 63, vindo do município alagoano de Santana do Ipanema.

Dahra, a 260 quilômetros de Dacar, um dos municípios onde há aldeias que receberam a cisterna, está quase na fronteira com o deserto do Saara. Chove, em média, 250ml por ano, menos da metade da média de 500ml registrada no semiárido brasileiro. O vento vindo do deserto faz a areia grudar na superfície da pele melada pelo suor provocado por um calor de quase 40 graus.

É uma cidade miserável, de pouco mais de 30.000 habitantes. O asfalto passa somente na via principal e o lixo nas ruas é parte da paisagem das vias de terra. Os animais – galinhas, principalmente, além de cabras e jumentos com as costelas à mostra – dividem o espaço com crianças vestidas com camisas de clubes de futebol europeu, que estão sempre com as duas mãos juntas, em forma de concha, pedindo algum dinheiro. De maneira geral, as únicas construções finalizadas são as mesquitas, que estão espalhadas por todo o país de maioria muçulmana, na mesma medida em que as igrejas evangélicas estão pelo Brasil. O cinza do reboco inacabado das casas de Dahra e o laranja de suas ruas de terra fazem contraste com as vestimentas das mulheres, que se cobrem de panos coloridos e estampados dos pés às cabeças.

O SAHEL

É uma faixa formada por municípios que estão em dez países da África, da costa oeste à leste: Burkina Faso, Chade, Gâmbia, Eritreia, Guiné Bissau, Mali, Mauritânia, Níger, Senegal e Sudão. Desses, Senegal, Níger e Gâmbia fazem parte do projeto piloto de construção de cisternas.

No sentido norte-sul, o Sahel fica entre o deserto do Saara a Savana do Sudão, constituindo uma zona de transição entre a aridez do deserto e as terras férteis da savana.

A quantidade de chuvas varia entre 150 e 300 milímetros por ano, dependendo do local, e 80% da população da região depende da agricultura para sobreviver.

São elas, inclusive, o público alvo do programa Um Milhão de Cisternas no Sahel – nome meramente ilustrativo, como membros da FAO explicaram, já que esse número não chega perto da demanda real de toda a região. O foco nas mulheres é por uma razão prática: culturalmente, são elas as responsáveis por buscar água para a família, num ato hercúleo que forma as históricas imagens de mulheres com baldes na cabeça, seja na África, seja no Brasil.

Antes da construção do reservatório, as mulheres da aldeia de Ndiana Peulh precisavam caminhar cinco quilômetros, dia sim, dia não, atrás de água. “Ficávamos muito cansadas”, disse uma delas, com voz baixa, no dialeto local, o pulaar, traduzido para o francês – a língua oficial do Senegal, embora a maioria fale wolof – e, em seguida, ao português. “A cisterna não só resolveu o problema da água, como também nos empoderou”, completou Elisângela Ribeiro de Aquino, 46, de Riacho dos Machados, em Minas Gerais. “Sabemos o que é andar com uma lata d’água na cabeça”.

O SEMIÁRIDO

É formado por mais de 1 milhão de quilômetros quadrados, englobando municípios dos nove Estados do Nordeste e uma parte de Minas Gerais. Tem cerca de 24 milhões de habitantes, entre a população rural e urbana.

Para um município ser considerado semiárido, é levada em conta a quantidade de chuva que cai ali, sua distribuição ao longo do ano, a evaporação e a aridez do solo. O Ceará é o único Estado que tem quase 100% dos seus municípios considerados semiáridos.

A estimativa da ASA é que as 1,3 milhão de cisternas construídas em todo o semiárido brasileiro atendam a cerca de 5 milhões de pessoas. Apesar da grande abrangência, calcula-se que ainda exista um déficit de 300.000 cisternas para consumo humano e 600.000 tecnologias de água para produção, como a construção de barragens e poços, para suprir a necessidade de água na região.

Nesse sentido, a aldeia Keur Bara Tambedou, na região da cidade de Kaolack, a 200 quilômetros de Dacar, já está um passo à frente. Ali, uma associação de agricultoras formada por 73 mulheres que trabalham na terra mostrava na prática o que significa esse nova força. Guilé Mané, de 39 anos, uma mulher alta e esbelta, que carregava o filho nas costas amarrado por um pano colorido, é a líder da associação e explicou à comitiva de brasileiros os impactos positivos causados pela cisterna. “Antes, o que produzíamos era praticamente usado para pagar a água. Agora com a cisterna, agradecemos a Deus”, disse. “A cisterna nos deixou mais unidas também”. Elas se dividem em pequenos grupos que se revezam entre o trabalho no campo e a venda dos alimentos produzidos. E garantem que o que ganham com a produção na terra fica somente para elas e não é dividido com os maridos, que podem se casar legalmente com até quatro mulheres ao mesmo tempo, segundo a legislação senegalesa.

Troca de sementes

Sobre um tapete colorido estendido no chão de terra, a agricultora brasileira Maria Silvanete Lermen, 43, do município pernambucano de Exú, descrevia o presente que trouxera do Nordeste do Brasil para as senegalesas. “Assim como muito do que temos no Brasil veio da África, trouxemos de volta algumas coisas para vocês”, dizia. “Esta batata doce já está brotando. Se plantar no inverno, nasce rapidinho. E a mamona, do fruto fazemos óleo para hidratar a pele, e plantada, ela serve para adubar a terra. Plantem longe dos animais, porque ela é venenosa”, explicava para as mulheres de Keur Bara Tambedou. O armazenamento de sementes, algo que não é praticado ali, é uma das formas de garantir a safra mesmo em momentos de seca, explicam os brasileiros. “O armazenamento das sementes nos deixam menos dependentes”, disse a mineira Elisângela de Aquino.

Esse conhecimento sobre o armazenamento de sementes, assim como a construção dos reservatórios, faz parte de um leque de ações contidas dentro da política desenvolvida para sobreviver à seca no Brasil. “A cisterna nunca chega sozinha a uma comunidade”, explica Cícero Félix dos Santos, da coordenação nacional da ASA. “Na verdade, ela é o último componente. Primeiro, existe um trabalho de conscientização, de sensibilização, formação de pedreiros para a construção… Isso tudo leva até um ano para ser finalizado”. Iniciada no final do ano 2000, ainda sob a gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a iniciativa da construção de cisternas partiu da sociedade civil organizada, que levou a proposta até Brasília. “Até então, as políticas desenvolvidas para o semiárido eram chamadas pelos governos de política de combate à seca”, diz Rafael Neves, coordenador do programa Um Milhão de Cisternas. “Mas não se combate a natureza. Se adapta à ela. Por isso, em uma região onde chove só de três a quatro meses, a principal estratégia [para sobreviver] é estocar água para beber, para plantar e guardar sementes nativas”.

O registro da primeira cisterna construída no Brasil partiu do pedreiro Manuel Apolônio de Carvalho, conhecido como Nel. Depois de passar uma temporada vivendo em São Paulo trabalhando na construção de piscinas, ele voltou à cidade de origem, no interior de Sergipe, com a ideia na cabeça: construir um reservatório para armazenar água para os tempos de estiagem. A partir da cisterna de Nel, entidades se organizaram e bateram na porta do ministro do Meio Ambiente na época, José Sarney Filho. A fase piloto foi implementada no último ano da gestão de FHC, em 2002, e virou política pública, sob o guarda-chuva do programa Fome Zero, na gestão do ex-presidente Lula. “Mas houve um trabalho de convencimento antes”, pondera Cícero dos Santos.

Cisterna em comunidade rural do Senegal, uma das primeiras da fase piloto do projeto.
Cisterna em comunidade rural do Senegal, uma das primeiras da fase piloto do projeto. M. R.

Passados alguns anos da construção das primeiras cisternas brasileiras, Santos lembra que a realidade do semiárido começou a se transformar. “A nossa conquista foi tirar a lata d’água da cabeça das mulheres”, diz. “Antes, o primeiro presente que uma criança ganhava, lá pelos cinco anos, era uma latinha dessas de tinta, para colocar na cabeça. Os meninos carregam no ombro, pendurada por um pau, porque os homens não têm tanto equilíbrio quanto as mulheres”, explica ele.

O ovo de Colombo

José Graziano, ex-ministro extraordinário de Segurança Alimentar e Combate à Fome do Governo Lula, foi quem encabeçou as ações do projeto brasileiro. Hoje, à frente da direção-geral da FAO, foi ele quem teve a ideia de levar as ações desenvolvidas no Brasil para a África. “Estive pela primeira vez no Senegal em 2013, e perguntei por que não havia cisternas lá”, disse, por telefone, de Roma, onde fica a sede da FAO. Ele conta que enfrentou dificuldades para convencer as autoridades sobre a viabilidade de sua ideia. “No início, houve uma certa descrença, assim como houve com o projeto um Milhão de Cisternas no Brasil”, diz. “As pessoas sempre pensam que a solução dos problemas imediatos depende de coisas sofisticadas e muito caras. Quando você aparece com uma solução simples e inovadora, é como Colombo, que pôs o ovo em pé”.

Mulher caminha com balde d'água na cabeça em Dahra, Senegal.
Mulher caminha com balde d’água na cabeça em Dahra, Senegal. M. R.

Coumba Sow, que trabalhava com Graziano em Roma na época, e hoje atua na FAO a partir de Dacar, era uma das “descrentes”. “Quando se falava no programa Fome Zero e na construção de um milhão de cisternas, parecia surreal”, lembra ela. “Mas fomos até o Brasil e vimos que era possível”. Hoje, as cerca de 1,3 milhão de cisternas fazem parte da paisagem quando se anda pelo semiárido brasileiro. E o projeto africano pretende, aos poucos, fazer o mesmo pela geografia do continente. Graziano explica que o objetivo para os próximos três anos é de levar reservatórios a 10.000 mulheres do Sahel. “A cisterna não é só a água potável, é a melhoria das condições de vida e da habitação. Esse é o conceito que levamos do Brasil para a África, com bons resultados”.

O efeito positivo da etapa piloto do projeto africano pretende sensibilizar investidores e o Governo para tornar a construção de cisternas uma política pública, assim como ocorreu no Brasil. Com 15,8 milhões de habitantes no Senegal, e mais da metade da população vivendo em áreas rurais, o programa terá de ser ainda mais ambicioso que a versão brasileira, além de levar em conta algumas adaptações. De maneira geral, o continente africano está algumas décadas atrás do Brasil em termos de desenvolvimento. Um exemplo é a falta de rede elétrica e o telhado de sapé nas casas da zona rural visitadas pela reportagem. Como o telhado é parte fundamental para a captação da água da chuva que será armazenada, foi preciso construir uma espécie de telhado grande de alumínio, de 60 metros quadrados, para captar a água. A chuva, cai somente ao longo de três meses no país, que é dividido em duas estações: quente e seca e quente e chuvosa, sendo essa entre julho e outubro.

Essa escassez de chuvas no Senegal é ainda maior que no Brasil. Ainda assim, a seca brasileira, tema praticamente esquecido pelos candidatos à presidência durante a eleição deste ano, é uma questão que não está totalmente sanada. Durante o pleito, o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que pretendia importar a tecnologia de Israel para dessalinizar a água do mar e garantir a distribuição de água no Brasil. Mas para Cícero dos Santos, da ASA, a proposta mostra “desconhecimento” do presidente sobre a região. “Temos o semiárido mais populoso e chuvoso do planeta. Não falta água, faltam políticas públicas que garantam captação, distribuição e gestão das águas da chuva”, diz. “Isso sim resolve o problema da escassez”.

INTERNACIONAL – NÃO PRECISA DE ÁGUA

Postado Postado por INTERNACIONAL, NOTÍCIAS     Comments Sem comentários
nov
27

INTERNACIONAL – NÃO PRECISA DE ÁGUA

Vaso sanitário não precisa de água e nem ir para rede de esgoto

Vaso sanitário não precisa de água e nem ir para rede de esgoto

Texto: do Portal Expresso das Ilhas de Cabo Verde
Data: 27/11/2018

CHINA - Bill Gates apresentou um vaso sanitário que não precisa de água ou ligação a sistemas de saneamento, transformando os dejetos em fertilizante, uma solução que poderia reduzir a mortalidade infantil nos países mais pobres e gerar uma economia de cerca de 235 bilhões de dólares.

O produto é resultado de uma pesquisa financiada pela Fundação Bill e Melinda Gates, a maior organização filantrópica particular do mundo. Para que isso acontecesse foi desenvolvida uma tecnologia que transforma os dejetos humanos em fertilizante. “Eles (os vasos sanitários inteligentes) recebem os dejetos líquidos e sólidos e fazem um trabalho químico, o que inclui ‘queimá-los’ na maioria dos casos”, disse Gates, sem entrar em detalhes, durante entrevista à agência de notícias Reuters.

Durante a apresentação do vaso sanitário, numa feira realizada na China há duas semanas, o fundador da Microsoft destacou o papel social e ambiental de sua nova proposta. “O vaso sanitário de hoje simplesmente manda os dejetos embora na água, enquanto estes vasos sanitários inteligentes sequer têm esgoto”, disse.

Bill Gate sacha que os vasos sanitários são um negócio sério e está apostando que uma reinvenção desse conforto essencial pode salvar meio milhão de vidas e gerar uma economia de cerca de 235 bilhões de dólares.

Sem alternativas rentáveis aos esgotos e instalações de tratamento de resíduos, a urbanização e o crescimento da população vão agravar a situação.

Em algumas cidades, mais da metade do volume de dejetos humanos vaza para o ambiente sem tratamento. Cada dólar investido em saneamento rende cerca de 5,50 dólares em ganhos econômicos globais, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

O reinventado mercado do vaso sanitário, que atraiu empresas como a japonesa LIXIL Group do Japão, poderia gerar 6 bilhões de dólares por ano em todo o mundo por volta de 2030, segundo Gates.

Gates descreveu a mudança das privadas tradicionais para os modelos sem água como um passo importante para a sociedade, semelhante ao desenvolvimento da computação, na década de 70, época em que o executivo ajudou afundar a Microsoft ao lado de Paul Allen

INTERNACIONAL – CONHEÇA A EXPERIÊNCIA QUE TRANSFORMA AR EM ÁGUA POTÁVEL

Postado Postado por Destaques, INTERNACIONAL, NOTÍCIAS     Comments Sem comentários
out
30

INTERNACIONAL – CONHEÇA A EXPERIÊNCIA QUE TRANSFORMA AR EM ÁGUA POTÁVEL

O sistema transforma ar em água potável e pode ajudar até 100 pessoas

O sistema transforma ar em água potável e pode ajudar até 100 pessoas

Data: 30/10/2018
Texto: do Portal Hypeness

A luta para garantir o acesso à água potável para esta e as próximas gerações ganhou um novo capítulo. O XPrize premiou a criação de um dispositivo que transforma ar em água.

O sistema é chamado de WEDEW e pode atender até 100 pessoas por dia. O funcionamento se dá a partir da captação da chamada energia limpa, que com o auxílio de duas tecnologias diferentes, imita a formação das nuvens.

Daí, as gotículas de água potável são armazenadas em um tanque que pode ser conectado a uma garrafa ou torneira. Palmas para a tecnologia Skywater.

Para cobrir os altos custos de energia, foi desenvolvido um sistema gaseificador de biomassa. Ao ser alimentado por materiais como lascas de madeira, ele vaporiza para criar um ambiente quente e úmido, tornando o processo de ‘criação’ da água perfeito. As engrenagens podem funcionar com energia solar ou baterias.

A máquina vai matar a sede de habitantes de áreas rurais e vítimas de desastres. Além disso, os edifícios das grandes cidades podem recorrer os sistema para alimentar suas tubulações.

O projeto contempla os objetivos dos jurados do prêmio Water Abundance XPrize, que buscavam por um projeto capaz de gerar pelo menos dois mil litros de água por dia, apenas com energia 100% renovável e a um custo máximo de dois dólares o litro.

“Acredito que o futuro das tecnologias será migrar para esse modelo restaurativo e regenerativo que realmente ajuda a reparar os danos que causamos”, disse ao site Fast Company David Hertz, arquiteto da Califórnia e um dos líderes da iniciativa.

 

INTERNACIONAL – CRIADO MATERIAL POROSO QUE CAPTURA FÁRMACOS DA ÁGUA

Postado Postado por INTERNACIONAL     Comments Sem comentários
set
19

Internacional – Criado um material poroso que captura fármacos da água
Cientistas em Portugal desenvolveram um material reutilizável que consegue absorver dois anti-inflamatórios da água.

Retirada fármaco da água

Retirada fármaco da água

Texto: Do Portal Publico de Portugal
Data:19/09/2018

Capturar fármacos da água. Era este o objectivo de Laura Salonen e da restante equipa do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), em Braga. “Hoje em dia, há cada vez mais gente no mundo, o que significa que há mais pessoas a usarem medicamentos”, conta a cientista. Como o nosso organismo não metaboliza todo o fármaco, acabamos por expulsar através da urina ou das fezes uma parte, que pode ir parar às águas residuais. “As técnicas que existem não são capazes de capturar todos os contaminantes que ficam nessas águas”, adianta Laura Salonen. Por isso, juntamente com outras instituições internacionais, a sua equipa criou um material poroso que – em laboratório – conseguiu absorver os anti-inflamatórios ibuprofeno e diclofenaco da água.

A estrutura do novo material assemelha-se à de um favo de mel. Afinal, a equipa desenvolveu uma rede orgânica co-valente (um tipo de ligação química) e uma das suas características é a cristalinidade, que permite que o material seja uniforme, ou seja, que todos os poros sejam iguais. Como este material é constituído por moléculas orgânicas que contêm flúor, é hidrofóbico – não absorve nem retém água.

Apesar de cada poro ter só um nanómetro de diâmetro (um milhão de vezes mais pequeno que um milímetro), este material pode ser uma grande superfície. Como? No interior tem poros que também formam parte dessa superfície.

Em laboratório, suspendeu-se a estrutura na água, que tinha contaminantes. O que aconteceu? “Vimos que o material que desenvolvemos é capaz de capturar muitas quantidades de ibuprofeno da água”, recorda Laura Salonen. Conseguiu-se absorver 120 miligramas de ibuprofeno por cada grama desse material. Depois, experimentou-se absorver diclofenaco (um outro anti-inflamatório com acção analgésica muito usado para sintomas de reumatismo, por exemplo). “Também é lipofílico [ou seja, dissolve-se em gorduras ou óleos vegetais] e tem um tamanho [da molécula] parecido [com o do ibuprofeno].” Contudo, o diclofenaco teve uma absorção mais baixa: 18 miligramas por cada grama do material.

Quando fizeram o teste com o paracetamol, a captura também foi mais baixa: houve uma absorção cerca de dez vezes menor do que a do ibuprofeno. “Ficámos satisfeitos porque queremos ter um material capaz de capturar um grupo de moléculas específicas e com características específicas como a lipofilicidade e o tamanho”, refere Laura Salonen, acrescentando que pode haver diferentes eficiências na utilização do material – como aconteceu com o ibuprofeno e o diclofenaco – dependendo das características de cada um.

Próximo passo: absorver pesticidas e Valium

“Anunciamos que, pela primeira vez, uma rede orgânica co-valente pode ser usada para absorver poluentes farmacêuticos da água”, lê-se num artigo científico na revista Chemistry no qual a equipa – também formada por instituições de Espanha, Alemanha e da Argélia – apresenta o seu trabalho.

Laura Salonen aponta que algumas das vantagens desta estrutura são o tamanho e a uniformidade dos poros, que permitem capturar um certo tipo de fármacos. Além disso, refere que é reutilizável. Ao se remover o ibuprofeno absorvido do material com um solvente orgânico, verificou-se que esse mesmo material se poderia utilizar outra vez. “Significa que podemos reutilizar o material e assim baixar os seus custos”, indica a cientista, adiantando que a sua equipa está a trabalhar em diferentes formas de o usar em larga escala.

A ideia é fazer nanopartículas cobertas por esta estrutura ou fibras que possam ser usadas, por exemplo, nas estações de tratamento de águas residuais (ETAR). “Também podemos imaginar este material como um tipo de filtro.” Contudo, Laura Salonen frisa que ainda é muito cedo para se pensar na sua comercialização. “É difícil de estimar [quando poderá estar disponível no mercado]. Pode levar alguns anos.” Também refere que é muito cedo para se falar em preços, mas espera que tenha um custo acessível.

Por agora, a equipa vai desenvolver outras redes orgânicas co-valentes, para que seja possível capturar pesticidas e outros fármacos na água, como o diazepam, o composto activo do ansiolítico conhecido comercialmente como Valium.

 

 

INTERNACIONAL – ONG FAZ ALERTA PARA OS PERIGOS E IMPACTOS NOS RECURSOS HÍDRICOS DA PROVÍNCIA DE MENDONÇA NA ARGENTINA

Postado Postado por Destaques, INTERNACIONAL, NOTÍCIAS     Comments Sem comentários
ago
28

ONG FAZ ALERTA PARA OS PERIGOS E IMPACTOS NOS RECURSOS HÍDRICOS DA PROVÍNCIA DE MENDONÇA NA ARGENTINA

A ONG elaborou um estudo sobre os impactos que obras indevidas podem causar nos recursos hídricos da província de Mendonça, a Argentina. Veja abaixo o comunicado da ONG e também o estudo e os documentos.

El 24 de Agosto de 2018 se cumple el 24o Aniversario de la reforma de la Constitución Argentina, que estableció la garantía para todos los argentinos a un ambiente sano y equilibrado que permita el desarrollo humano de los habitantes y de las futuras generaciones. En cumplimiento del mandato institucional de OIKOS Red Ambiental y con la participación del Centro de Estudios Prospectivos de Cuyo, se elabora el siguiente informe, dada la preocupante situación en la que queda el Humedal de Llancanelo, que como sitio RAMSAR podría sufrir un daño ambiental irreversible por la afectación de su caudal ecológico. Desde diciembre de 2017, en la audiencia pública, ambas instituciones vienen señalando la necesidad de actuar con suma precaución en lo atinente a la autorización de la técnica de la hidrofractura y a la necesidad de realizar una Evaluación Ambiental Estratégica.

Con este informe se llama la atención una vez más de las autoridades y pueblo de Mendoza sobre el peligro cierto que recae sobre el recurso hídrico de la Provincia, esperando que la prevención y la responsabilidad primen y se proteja -por tercera vez- el humedal Llancanelo y su exquisita biodiversidad. Por último, se advierte que todas las imágenes provienen de expedientes administrativos o judiciales, indicándose su procedencia al pie de la imágen, por lo que son instrumentos públicos de libre consulta por cualquier ciudadano conforme la Ley 9070. Nos resta esperar que cada uno sepa cumplir con su deber; nosostros seguiremos cumpliendo con el nuestro.

Equipos técnicos de OIKOS – CEP de Cuyo

INFOInfo OIKOS CEP 4

FONASC DIVUlGA – ARTIGO “Governo poderia privatizar Aquífero Guarani como sugerem mensagens nas redes?”

Postado Postado por Destaques, INTERNACIONAL, NOTÍCIAS     Comments Sem comentários
mar
14

Governo poderia privatizar Aquífero Guarani como sugerem mensagens nas redes?

Evanildo da Silveira
De São Paulo para a BBC Brasil
  • Represa do Broa, Itirapina, SP
Image captionAquífero Guarani se espalha por oito Estados brasileiros e quatro países da América do Sul | Foto: Rubens Chiri/ Governo de São Paulo

 

 

Textos que falam sobre um suposto “discreto encontro entre o presidente Michel Temer e o presidente da Nestlé, Paul Bulcke” que teriam “acelerado as negociações para a concessão a multinacionais para explorar o Aquífero Guarani” voltaram a circular pelas redes sociais em fevereiro deste ano, mas existem, pelo menos, desde 2016.

O Sistema Aquífero Guarani (SAG) é uma das duas maiores reservas subterrâneas de água do Brasil e uma das maiores do mundo, com 1,2 milhão de quilômetros quadrados de extensão em quatro países: Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. Dessa área, 840 mil quilômetros quadrados ficam no território nacional.

Segundo especialistas, o reservatório pode ter um volume de até 40 mil quilômetros cúbicos de água entre suas rochas, manancial equivalente a 16 bilhões de piscinas olímpicas ou 100 anos de fluxo cumulativo do rio Paraná.

O maior deles, no entanto, é o Sistema Aquífero Grande Amazônia (Saga), com reservas estimadas em 162 mil quilômetros cúbicos. De acordo com pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA), isso seria o suficiente para abastecer a população atual do mundo, 7 bilhões de pessoas, por 250 anos, considerando um consumo individual médio de 150 litros de água por dia e uma expectativa de vida de 60 anos.

Essas reservas não são, como se poderia imaginar, rios ou lagos subterrâneos. São como espécies de esponjas gigantes, com a água ocupando os interstícios das rochas, como poros, fissuras ou rachaduras.

Em linguagem mais técnica, um aquífero é definido como uma unidade geológica saturada pela água, constituída de rocha ou sedimento,suficientemente permeável para permitir sua extração de forma econômica e por meio de métodos convencionais.

Mas o governo brasileiro poderia, de fato, privatizá-los?

Negativas do governo

Questionada pela BBC Brasil, a Secretaria Especial de Comunicação (Secom), ligada à Secretaria Geral da Presidência da República, afirma que, ao contrário do que dizem os textos nas redes sociais, não houve reunião entre Temer e o executivo belga Paul Bulcke, atual presidente da Nestlé, durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, no final do mês de janeiro.

Mapa
Image captionO maior aquífero brasileiro é o Sistema Aquífero Grande Amazônia (Saga), com reservas estimadas em 162 mil quilômetros cúbicos

“Houve um jantar promovido pelo Fórum Econômico Mundial em que os dois estavam presentes”, diz a nota.

Ainda de acordo com a Secom, “não há no Governo qualquer discussão em torno desse assunto (a possível privatização do Aquífero Guarani)”. A assessoria de imprensa da Casa Civil da Presidência da República reforça a negativa: “Não há nada a respeito disso em análise pela Casa Civil”.

De qualquer forma, não seria fácil levar a ideia adiante, segundo pesquisadores. “Não existe qualquer possibilidade de privatização dos mananciais subterrâneos ou dos recursos hídricos brasileiros se for seguida a legislação vigente”, diz o professor e pesquisador Rodrigo Lilla Manzione, da Faculdade de Ciências e Engenharia da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

“Segundo a Constituição Federal e a Lei 9.433/97 (Lei das águas), as águas são de domínio público, o que não permite qualquer direito de propriedade sobre elas.”

Além disso, do ponto de vista jurídico, lembra Manzione, as águas subterrâneas estão sob o domínio dos Estados que as abrigam. Ou seja, cada Estado da federação pode ter uma legislação específica para elas e o Governo Federal não pode interferir.

Para mudar essa situação e tornar os aquíferos passíveis de privatização seriam necessárias mudanças na Constituição, por meio de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC). O pesquisador da Unesp acha difícil que isso ocorra. “O sistema brasileiro é avançado e maduro o suficiente de forma a não permitir eventuais retrocessos na gestão dos recursos hídricos”, opina.

O geólogo Ricardo Hirata, do Instituto de Geociências e vice-diretor do Centro de Pesquisas de Águas Subterrâneas (Cepas), ambos da  Universidade de São Paulo (USP), diz que hoje muitas cidades utilizam, há anos, aquíferos como mananciais exclusivos ou como fonte complementar de abastecimento público, e seria difícil reverter isso.

A própria extensão dos aquíferos brasileiros seria outro obstáculo. “Qualquer empresa que o adquirisse teria que ter um sistema de vigilância em todo o território do manancial para garantir que ele não fosse usado por terceiros”, explica.

Possibilidade de abastecimento

Segundo o Mapa das Áreas Aflorantes dos Aquíferos e Sistemas Aquíferos do Brasil, elaborado pela Agência Nacional de Águas (ANA), existem 182 aquíferos distribuídos pelo território nacional, inclusive no Nordeste, região periodicamente assolada pela seca.

Afloramento do Aquífero Guarani
Image captionAquíferos são como esponjas gigantes em que a água ocupa os insterstícios das rochas; em algumas partes, há afloramento | Foto: Rodrigo Sanches Rodrigues

O Aquífero Guarani, o mais conhecido no Brasil, se estende por oito estados brasileiros (Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), além de Paraguai (58.500 km²), Uruguai (58.500 km²) e Argentina (255.000 km²). Sua espessura média é de 250 metros, podendo variar de 50 a 600 metros, e ele tem profundidade que chega a ser superior a 1 mil metros em alguns trechos.

Isso o torna um reservatório com potencial para abastecer grandes cidades por vários anos. Parte desse manancial já vem sendo usado. Um estudo da Organização dos Estados Americanos (OEA), sob supervisão do Banco Mundial e com verbas do Fundo de Meio Ambiente das Nações Unidas (GEF), durante o período de 2003 a 2009 mapeou, de forma regional, a extração e os usos das águas subterrâneas do SAG.

De acordo com o levantamento, cerca de 1,04 km3 de água é extraído por ano, sendo 94% no Brasil, dos quais 50% no Estado de São Paulo, seguidos pelo Rio Grande do Sul (14%), Paraná (14%), Mato Grosso do Sul (12%). Do restante, 3% são usados pelo Uruguai, 2% pelo Paraguai e 1% pela Argentina.

“Algo como 80% do total extraído é utilizado para o abastecimento público, 15% para indústria e 5% para turismo (estâncias hidrotermais)”, diz Ricardo Hirata. “Mas tem se intensificado também o uso da água na agricultura, para irrigação, e em empreendimentos agroindustriais nos últimos anos.”

Riscos da exploração

Nem toda água do SAG pode ser utilizada, e são necessários cuidados para que ela não seja poluída ou esgotada. Segundo Manzione, a extração e uso de seu manancial dependem de estudos caso a caso. “Esse aquífero possuí características distintas, dependendo das configurações geológicas locais e regionais, variando de Estado para Estado, de país para país.”

De acordo com ele, existem porções aflorantes do SAG e outras confinadas, com comportamentos completamente distintos do ponto de vista hidrogeológico.

“Áreas de afloramento (exposição da rocha na superfície da terra) são mais vulneráveis à poluição e demandam um monitoramento contínuo da qualidade e quantidade de suas águas”, diz. “Por isso, ao se adotar essa água como fonte de abastecimento é necessário um estudo prévio da qualidade dela, pois existem locais com possibilidade de contaminação natural, em virtude do material rochoso com o qual ela está em contato.”

Hirata também diz que é importante distinguir zonas com diferentes características para a extração e uso do líquido. “O SAG tem 10% de sua área em condição não confinada, onde as águas são jovens e há recarga direta pela chuva”, explica.

“Nesses locais a exploração sustentável depende da recarga. Estima-se que seja possível retirar algo como 20 a 30 km3 por ano em toda a sua extensão aflorante ou próxima ao afloramento.”

Alter do Chão
Image captionSistema Aquífero Grande Amazônia é extensão do aquífero Alter do Chão | Foto: Cristino Martins/Agência Pará

Em sua porção confinada sob as rochas de basalto, no entanto, as águas são muito antigas, com mais de 10 mil anos. Nesse caso, diz-se que esse aquífero tem águas fósseis e a exploração é do tipo mineração. Ou seja, se retira um volume que não é renovado.

“Essa retirada é de apenas 2.130 km³ para todo o aquífero confinado. Em resumo, o SAG tem um imenso potencial ainda pouco explorado, mas que, devido às características de confinamento, requer cuidado, pois é um recurso limitado e sujeito a superexploração, sobretudo em áreas onde há grande densidade de poços.”

Sem a recarga pela chuva ou com a retirada excessiva de água, o manancial pode se esgotar. Manzione dá um exemplo concreto. “Em Ribeirão Preto, o crescimento da cidade foi maior do que a capacidade das águas subterrâneas se renovarem, levando a rebaixamentos sistemáticos nos últimos 40 anos, mesmo estando em uma área onde existe recarga”, conta.

“São necessárias ações de gestão por parte dos órgãos responsáveis para procurar equalizar a situação, pois o município não dispõe de recursos hídricos superficiais suficientes para auxiliar no abastecimento.”

Descoberta em outros países

O Sistema Aquífero Grande Amazônia (Saga), por sua vez, é uma extensão de um aquífero já conhecido, chamado Alter do Chão, que tinha um volume estimado de 86 mil quilômetros cúbicos. Há pouco mais de 10 anos, pesquisadores da UFPA e da Universidade Federal Ceará (UFC) começaram a estudá-lo mais detalhadamente e, para sua surpresa, descobriram que ele tem quase o dobro desse volume.

As pesquisas revelaram ainda que o sistema se estende por mais de 1.800 km desde o Peru e a Colômbia, entrando pelo Acre, no Brasil, e indo até a ilha de Marajó, com uma largura que varia de 250 a 500 km e uma espessura que vai de 1.200 a 7.000 metros.

Na verdade, o Saga integra um sistema hidrogeológico que abrange as bacias sedimentares do Acre, Solimões, Amazonas e Marajó, com uma superfície total de 1,3 milhão de quilômetros quadrados. Mas esse aquífero é ainda menos explorado que o Guarani.

 

INTERNACIONAL – ‘ESTADO DE GUERRA’: CIDADE DO CABO PODE FICAR SEM ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Postado Postado por INTERNACIONAL, NOTÍCIAS     Comments Sem comentários
fev
20

‘ESTADO DE GUERRA’: CIDADE DO CABO PODE FICAR SEM ABASTECIMENTO DE ÁGUA
Os quatro milhões de residentes da Cidade do Cabo, na África do Sul, já estão alarmados com o aviso: o abastecimento de água está perigosamente perto de acabar por causa da seca que atinge a região há três anos

Falta água em Cidade do Cabo

Falta água em Cidade do Cabo

Texto: do Portal Gazeta do Povo
Data: 20/02/2018

Mais parece nome de filme de Hollywood: o “Dia Zero” chega à Cidade do Cabo no mês de abril. Estejam todos avisados.

O governo adverte que a ameaça vai superar qualquer coisa que uma cidade grande já tenha enfrentado desde a Segunda Guerra Mundial ou dos ataques de 11 de setembro. Negociações já estão em curso com a polícia da África do Sul porque “o policiamento normal será completamente inadequado”. Os habitantes, cada vez mais nervosos, sussurram entre si, preocupados com o caos iminente.

A razão para o alarme é simples: o abastecimento de água da cidade está perigosamente perto de acabar.

Se os níveis de água continuarem caindo, a Cidade do Cabo deve declarar o Dia Zero em menos de três meses. Torneiras em residências e empresas serão desligadas até que a chuva venha. Os quatro milhões de residentes da cidade terão que fazer fila para receber água racionada em 200 pontos de coleta.

“Quando o Dia Zero chegar, será preciso chamar o exército”, disse Phaldie Ranqueste, que estava carregando sua caminhonete branca com grandes recipientes de água em uma nascente natural, onde as pessoas esperaram em uma fila longa e ansiosa.

Isso não deveria ter acontecido com a Cidade do Cabo, conhecida por suas políticas ambientais, incluindo a gestão cuidadosa da água em uma região cada vez mais árida.

Mudança climática – Mas depois de uma seca de três anos, considerada a pior em mais de um século, autoridades sul-africanas dizem que a metrópole corre agora o sério risco de se tornar uma das poucas do mundo a não ter água canalizada para residências e a maioria das empresas.

Hospitais, escolas e outras instituições vitais ainda terão água, dizem as autoridades, mas a escala do desligamento será severa.

Os problemas aqui representam um dos grandes perigos da mudança climática: o crescente risco de grandes secas recorrentes. Na África, um continente particularmente vulnerável aos efeitos das alterações do clima, esses problemas servem como um aviso inequívoco para outros governos, que normalmente não têm os recursos dessa cidade e fizeram pouco para se adaptar.

Por enquanto, os líderes políticos locais falam em união para “derrotar o Dia Zero”. Como os níveis de água nas represas que abastecem a cidade continuam a cair, a prefeitura luta para terminar as usinas de dessalinização e aumentar a produção de água subterrânea. A partir de fevereiro, os moradores vão enfrentar multas mais severas se excederem seu novo limite diário, que agora diminuiu de 87 litros por pessoa/dia para até 50 litros.

Passado ‘verde’ – Apenas dois anos atrás, a situação não poderia ser mais diferente: em 2014, as represas estavam completamente cheias, depois de anos de muita chuva. No ano seguinte, o C40, um grupo de cidades focado nas alterações climáticas em todo o mundo, premiou a Cidade do Cabo por sua “implementação adaptativa” da gestão de água.

Ela foi descrita como uma das principais cidades “verdes” do mundo, e a Aliança Democrática, o partido da oposição que a administra desde 2006, tinha orgulho de sua ênfase em sustentabilidade e meio ambiente.

Os elogios reconheciam o êxito inegável da cidade na conservação da água. Embora a população tivesse aumentado em 30 por cento desde o início dos anos 2000, o consumo global permanecia constante. Muitos dos recém-chegados se estabeleceram nas áreas pobres da cidade, que consomem menos e de fato ajudaram a derrubar o volume de uso per capita.

Abastecimento – Porém, as medidas de conservação – como o conserto de vazamentos e canos velhos, a instalação de medidores e o ajuste de tarifas – tiveram um efeito poderoso. Talvez poderoso demais. A cidade poupa tanta água que a busca por novas fontes cessou.

Durante anos, a Cidade do Cabo foi avisada que precisava aumentar e diversificar seu abastecimento. Quase toda sua água ainda vem de seis represas dependentes das chuvas, situação de risco em uma região árida com um clima que está mudando. As represas, que estavam cheias a apenas alguns anos atrás, agora estão com cerca de 26 por cento da capacidade, dizem as autoridades.

A cidade está ficando mais quente nos últimos anos, e um pouco mais seca durante o último século, de acordo com Piotr Wolski, hidrólogo na Universidade da Cidade do Cabo que mediu a precipitação média desde o início do século XX até o presente.

Os modelos climáticos mostram que a cidade está destinada a encarar um futuro mais seco, com chuvas se tornando mais imprevisíveis nas próximas décadas.

“Os anos mais secos deverão ser mais secos do que já foram, e os mais úmidos não serão tão úmidos assim”, disse Wolski.

Em 2007, o Departamento de Questões Hídricas da África do Sul alertou que a cidade precisava considerar o aumento de seu suprimento com águas subterrâneas, dessalinização e outras fontes, citando o efeito em potencial da mudança climática.

Mike Muller, que já foi diretor do departamento, entre 1997 e 2005, disse que a estratégia de conservação de água, sem a busca por novas fontes, foi uma “das principais geradoras dos problemas da Cidade do Cabo”.

“A natureza não está particularmente disposta a cooperar. Haverá secas severas e quem não estiver preparado para isso vai sofrer”, acrescentou.

Ian Neilson, o vice-prefeito, disse que novos suprimentos de água são parte dos planos da cidade, mas “não dava para prever que seriam necessários tão cedo”.

Outras cidades enfrentam uma grave escassez. Milhões de brasileiros passaram por racionamento por causa de secas prolongadas. Brasília, a capital, declarou estado de emergência há um ano. Especialistas dizem que a falta de água no Brasil se deve à mudança climática, à rápida expansão da agricultura, à infraestrutura ruim e ao planejamento ineficaz.

Responsabilidade política – Aqui na Cidade do Cabo, ela intensificou as divisões políticas, especialmente porque grande parte da responsabilidade pela construção de infraestrutura de água é do governo central, liderado pelo Congresso Nacional Africano.

“O governo nacional fez corpo mole”, disse David Olivier, que estuda a mudança climática na Universidade do Instituto de Mudança Global de Witwatersrand.

O governo federal controla o fornecimento de água da Cidade do Cabo, de outros municípios e do setor agrícola da província, incluindo a grande indústria do vinho, a leste da cidade. Nos primeiros dois anos da seca, dizem os especialistas, as autoridades não conseguiram limitar o abastecimento de água dos agricultores, intensificando o problema.

Mas a prefeitura também cometeu erros: no ano passado, em vez de se concentrar no que estava mais ao alcance, como acessar aquíferos locais, a administração preferiu construir unidades temporárias de dessalinização, segundo Kevin Winter, especialista em água do Instituto da Água do Futuro, da Universidade da Cidade do Cabo.

“A construção de módulos de dessalinização leva muito tempo, de três a cinco anos, e a um custo considerável. E fica ainda mais caro construí-las durante uma crise”, afirmou ele.

Neilson, o vice-prefeito, reconheceu que “perdemos tempo”. “A cidade exige agora uma mudança drástica”, disse ele.

Ela está intensificando seus esforços para reduzir o consumo. Com a água e o tempo se esgotando, Neilson disse estar consciente de que é preciso assustar as pessoas para que mudem seu comportamento, mas sem levá-las ao pânico, e acrescentou: “Acho que ainda não descobrimos como fazer isso”.

Estoque de água – Até agora, apenas 55 por cento dos residentes atingiram a meta de 87 litros por dia.

Com a aproximação do Dia Zero, algumas pessoas estavam estocando a água recolhida em duas nascentes naturais na cidade; outras estavam comprando caixas d’água extras.

Em Constantia, um subúrbio de condomínios fechados com grandes casas com piscinas, alguns moradores estavam instalando tanques de água no quintal.

Em uma delas, Leigh De Decker e Mark Bleloch disseram que haviam reduzido o uso da água pública a 20 litros por dia – costumava ser de 500 litros diários antes da seca. Eles agora têm dois tanques de dez mil litros de água de poço tratada e estavam esperando a entrega de dois tanques adicionais.

Ambos preveem que devem zerar o consumo da água fornecida pela cidade várias semanas antes do Dia Zero, e estimam que vão gastar algo em torno de US$4.200 para se tornar completamente autossuficientes.

“Isso permite que você mantenha seu estilo de vida sem utilizar os recursos de que outras pessoas precisam”, disse De Decker.

INTERNACIONAL – UNA PERICIA DEL GOBIERNO CONFIRMÓ QUE UNA MINERA CHILENA CONTAMINÓ EL LADO ARGENTINO DE LA CORDILLERA

Postado Postado por Destaques, INTERNACIONAL, NOTÍCIAS     Comments Sem comentários
set
13

Internacional – Una pericia del Gobierno confirmó que una minera chilena contaminó el lado argentino de la cordillera

Texto: Divulgação
Data: 13/09/2017

El estudio encontró que la concentración de metales pesados en una laguna cercana es hasta 71 mil veces superior a lo recomendado

El estudio encontró que la concentración de metales pesados en una laguna cercana es hasta 71 mil veces superior a lo recomendado

Una pericia encargada por la Justicia al Ministerio de Ambiente y Desarrollo Sustentable confirmó que la empresa chilena Antofagasta Minerals contaminó San Juan, a la altura del departamento de Calingasta. El estudio encontró que la concentración de metales pesados en una laguna cercana a la mina Los Pelambres es hasta 71 mil veces superior a lo recomendado. Y que nueve de las diez muestras de roca que se tomaron pueden desencadenar un proceso capaz de generar daños irreversibles en el medio ambiente.

El tema fue puesto en agenda tras una investigación de Infobae publicada en junio del año pasado. Todo comenzó cuando en 2004 el gobierno chileno autorizó que la poderosa Antofagasta Minerals instalara la escombrera Cerro Amarillo al norte de Los Pelambres, la séptima mina de cobre más grande del mundo. La empresa arrojó allí todos los desechos de su producción entre 2007 y 2012. Un año antes la firma se percató que la mitad de ese “megabasurero” minero está del lado argentino de la frontera. Son 52 hectáreas, algo así como 70 canchas de River Plate, en las que están alojadas 20 millones de toneladas de rocas supuestamente estériles, pero potencialmente contaminantes.

En el gobierno argentino conocen la existencia de la escombrera al menos desde 2014, aunque el tema se mantuvo en las sombras. Este medio publicó hace unos meses, a partir de un pedido de acceso a la información pública, un estudio realizado ese año por el Servicio Geológico Minero Argentino (Segemar), que al igual que la pericia que ahora se conoció también halló niveles altos de metales pesados en una laguna y un arroyo ubicados en el valle del río de la Carnicería, que alimenta al río San Juan.

Habrá que ver cómo repercute este nuevo estudio en las relaciones bilaterales con Chile. Está probado a partir de una serie de mails publicados por la prensa del país vecino que el gobierno trasandino ayudó a la empresa a liberarse de culpa y cargo. En concreto, el Ministerio de Minería que conduce Aurora Williams, una ex empleada de Antofagasta Minerals, participó de una maniobra para hacer pasar un estudio del laboratorio privado SGS, que trabaja para la minera, por una pericia oficial que arrojaba que no había indicios de contaminación. Hubo también otras gestiones de dudosos fines.

 

La pericia

El nuevo análisis del gobierno argentino al que Infobae accedió confirmó lo que otros estudios ya habían detectado: que “la presencia de la Escombrera Cerro Amarillo constituye una fuente cierta de dispersión de sustancias contaminantes” y que es “una fuente de generación de Drenaje Ácido de Roca y metales pesados con potencial de generar un daño ambiental”.

Lo primero que advirtieron los expertos del Ministerio de Ambiente es que la escombrera no está aislada. No hay ninguna obra para contener el flujo de sus aguas. Es un tema fundamental, ya que mientras los ambientalistas reclaman su remoción, Antofagasta Minerals se había comprometido a realizar un trabajo de aislamiento que, según la pericia, no parecería haber comenzado.

Con respecto a las lagunas que están alrededor de la escombrera, la pericia detectó que “una porción sustancial de la superficie de las lagunas se encuentra directamente ocluida por la escombrera, lo cual supone una afectación directa del 53% de la superficie original de las lagunas”. En otras palabras, desaparecieron la mitad de los cuerpos de agua por acción directa de la minera chilena. Esa superficie podía ascender al 94% por la influencia de los ciclos hidrológicos.

Con respecto a la calidad de las aguas que descienden de la escombrera y desembocan en el Río de la Carnicería “se observó una afectación con metales pesados significativa en el punto de muestreo más cercano a la escombrera”.

En las lagunas más próximas a la escombrera se detectaron “altas concentraciones de sulfatos, lo que constituye un indicador de un posible proceso de acidificación” que también “se observa en las variaciones de pH de los distintos cuerpos de agua de la zona”. Asimismo, se encontraron de manera significativa nitratos y nitritos que provienen de los explosivos utilizados por la mina.

Pero lo que más preocupa es que las concentraciones de metales pesados y otros elementos en esas lagunas “se ven incrementadas por la influencia directa de la escombrera” y “alcanzan valores que se encuentran hasta 71 mil veces por arriba de los niveles regulados” por el reglamento de la ley de residuos peligrosos.

Aquí hay que hacer una salvedad: los peritos subrayaron que no hay dudas de la relación causal entre las altas concentraciones de metales en la escombrera y en los cuerpos de agua aledaños, lo que queda claro, entre otras cosas, por los altos niveles de cobre, que es el mineral que se extrae de Los Pelambres. En la pequeña laguna LC04 hay 142.900 miligramos de cobre por litro, cuando el valor recomendado para la vida acuática es de 2 miligramos por litro. Los valores, a su vez, descienden a medida que el agua se aleja del botadero.

Pero la única preocupación no es por el cobre. En ese cuerpo de agua, la concentración del aluminio, por ejemplo, es 19 mil veces superior a la recomendada; en el caso del manganeso es 154 veces mayor. También es más de 100 veces superior la concentración total de metales pesados como el cadmio o el cinc.

La última cuestión que destacaron los especialistas tiene que ver con la capacidad de la escombrera de desarrollar Drenaje Ácido de Roca (DAR), que es un proceso que genera ácidos capaces de disolver metales y transportarlos a los cuerpos de agua. Puede perdurar por siglos si no es manejado adecuadamente y los daños que provoca pueden llegar a ser irreversibles. De las 10 muestras que se tomaron de la escombrera, nueve son capaces de generar DAR. “Existe un gran posibilidad de que estos metales lleguen a los suelos y a las napas generando contaminaciones”, fue la conclusión. (Infobae)

Texto escrito por Juan Parrilla no site Infobae

Categorias

blogs

Vídeo

RECENTES